18 de set de 2011

A arte de recomeçar

          
        Nos últimos dias tenho pensado muito a respeito do post anterior (se você não leu pode conferi-lo aqui), pois la através de algumas palavras tentei expressar o que eu estava sentindo motivado pela tristeza e frustração de perder para sempre alguém que eu amei, mas nesse post quero corrigir todas as coisas que disse motivado pelo sentimento errado. 
         Talvez realmente amar seja dolorido e facas atravessem nossos corações diariamente e por conta disso temos construído verdadeiras fortalezas em volta de nossos corações, mas e quando finalmente encontramos a pessoa certa? Será que conseguiremos deixar ela atravessar os muros que há em volta de nós? Essas fortalezas que aparentemente nos deixam seguros impedindo que o sofrimento entre, são as mesmas que as vezes não permitem que a felicidade invada nosso ser e mude tudo em nós, e tudo isso acontece por que temos medo da dor e doer é uma coisa que faz parte da vida a questão não é a dor em si, mas como as pessoas reagem frente a ela, algumas pessoas preferem ficar chorando esperando um milagre acontecer, outras simplesmente preferem viver fingindo que não dói e que nada aconteceu, e umas poucas preferem encarar a dor de frente dando a si a oportunidade de serem felizes, de sonhar outra vez com um amor que aparentemente só existe nos filmes, mas que pode se tornar real, não para quem acredita, mas para quem corre atrás sem medo, agora pergunto: Será que ficar chorando esperando um milagre ou fingir que não dói é melhor do que encarar as coisas de frente? Talvez as barreiras que colocamos em nossos corações sejam o motivo de nosso sofrimento, porque com elas não enxergamos o mundo lá fora e o pior, não deixamos que o mundo la fora nos veja. O amor dói muitas vezes, mas com certeza uma vida sem amor dói muito mais e não é só isso, sofremos muito mais em uma vida em que temos tanto medo de sofrer de novo que fechamos os nossos olhos para ver que a dor é muito maior quando nos escondendo num casulo do que quando nos abrimos para a vida e tentamos recomeçar, por isso viva intensamente sem medo de ser feliz, sem medo de amar de novo e se você já tem o seu amor, aproveite-o em cada segundo de sua vida e seja feliz, pois ser feliz é uma dádiva que poucos tem encontrado.
       
         
              

Nenhum comentário:

Postar um comentário